Como aliar serviços de gerenciamento de aplicações às necessidades da empresa

O gerenciamento de aplicações deve operar fora das funções de rotina para fornecer percepções em tempo real sobre o estado das aplicações e oferecer a promessa de uma experiência “ininterrupta” e “pronta para o futuro”

http://cio.com.br/opiniao/2014/09/30/como-aliar-servicos-de-gerenciamento-de-aplicacoes-as-necessidades-da-empresa/

Trabalho remoto cresce no mundo

Geração Século 21

Sou profissional de Tecnologia da Informação, com 27 anos de experiência. Tenho uma filha adolescente, que usa computador online na internet desde os 3 anos de idade. Tenho observado muito essa juventude de hoje crescer online nos últimos anos. Gostaria de dar algumas sugestões, que já utilizo tem anos com minha a filha.

Os pais devem tomar os seguintes cuidados com os filhos que usam a internet:

– Facebook – No perfil dos filhos no Facebook, devem se cadastrar como sendo o pai e a mãe, para poderem monitorar, e terem ciência de tudo o que os filhos publicam dentro da rede social. E procurar saber com os filhos, quem são as pessoas que estão adicionadas dentro do grupo de amigos dos filhos na rede social. Recomendar a não adicionar desconhecidos.

– Senhas – os pais devem sempre ter anotado qual é a senha que os filhos utilizam em email, em redes sociais, em websites, etc.

– Videogame – Hoje em dia observei que os videogames estão funcionando online em wireless; eles fazem login numa rede online, onde os adolescentes jogam online o jogo junto com outros adolescentes ou adultos. Os pais tem que criar um perfil no videogame para monitorar os filhos, saber com quem eles jogam videogame online.

– Internet – Os pais tem que tomar ciência de tudo o que os filhos fazem na internet. A internet é uma enorme rede de computadores online, por serem menores de idade, as crianças e os adolescentes não podem ser largados sozinhos num computador online na internet, sem a monitoração de um adulto.

Deve-se dar aos filhos um pouco de segurança online, educar online com responsabilidade. Os filhos tem que aceitar essa monitoração por parte dos pais desde bem pequenos.

por Ana Mercedes Gauna

Geração Século 21

Sou profissional de Tecnologia da Informação, com 27 anos de experiência. Tenho uma filha adolescente, que usa computador online na internet desde os 3 anos de idade. Tenho observado muito essa juventude de hoje crescer online nos últimos anos. Gostaria de dar algumas sugestões, que já utilizo tem anos com minha a filha.
Os pais devem tomar os seguintes cuidados com os filhos que usam a internet:
– Facebook – No perfil dos filhos no Facebook, devem se cadastrar como sendo o pai e a mãe, para poderem monitorar, e terem ciência de tudo o que os filhos publicam dentro da rede social. E procurar saber com os filhos, quem são as pessoas que estão adicionadas dentro do grupo de amigos dos filhos na rede social. Recomendar a não adicionar desconhecidos.
– Senhas – os pais devem sempre ter anotado qual é a senha que os filhos utilizam em email, em redes sociais, em websites, etc.
– Videogame – Hoje em dia observei que os videogames estão funcionando online em wireless; eles fazem login numa rede online, onde os adolescentes jogam online o jogo junto com outros adolescentes ou adultos. Os pais tem que criar um perfil no videogame para monitorar os filhos, saber com quem eles jogam videogame online.
– Internet – Os pais tem que tomar ciência de tudo o que os filhos fazem na internet. A internet é uma enorme rede de computadores online, por serem menores de idade, as crianças e os adolescentes não podem ser largados sozinhos num computador online na internet, sem a monitoração de um adulto. 
Deve-se dar aos filhos um pouco de segurança online, educar online com responsabilidade. Os filhos tem que aceitar essa monitoração por parte dos pais desde bem pequenos.

Falta de equilíbrio gera insatisfação no trabalho

Profissionais motivados são essenciais para a condução de qualquer departamento de uma empresa. Quando falta equilíbrio, nasce uma série de reclamações, causando problemas aos líderes e falhas na execução da empresa

http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/falta-de-equilibrio-gera-insatisfacao-no-trabalho/70246/

Os programas antivírus evoluíram com o passar dos anos

Desde a década de 80 sempre gostei de instalar nos meus computadores programas utilitários. Sempre me preocupei em instalar programas antivírus nos computadores que eu uso; nessa época os programas antivírus funcionavam em MS-DOS, e os mais populares eram o MCAFEE ANTIVÍRUS, NORTON ANTIVÍRUS e AVAST ANTIVÍRUS.
Com o passar dos anos usei várias versões grátis dos programas antivírus do AVAST, do AVG, da PANDA SECURITY, da LAVASOFT usei o AD-AWARE, o IOBIT MALWARE FIGHTER do ADVANCED SYSTEM CARE, o AVIRA, já testei o MICROSOFT SECURITY ESSENTIALS; usei várias versões pagas do NORTON ANTIVÍRUS e NORTON INTERNET SECURITY da SYMANTEC, e do MCAFEE ANTIVÍRUS.
No final da década de 90 comprei um notebook e um roteador wireless, e instalei uma rede sem fio em casa, poucos anos depois a SYMANTEC criou uma versão do NORTON ANTIVIRUS INTERNET SECURITY que notei detectou automaticamente tudo o que existe conectado dentro da minha rede wireless. Gostei muito dele fazer isso.
Em 2012 eu resolvi testar a versão do antivírus KASPERSKY INTERNET SECURITY, porque a caixa dizia que ele tem proteção hibrida em nuvem. Gostei de usar o programa da KASPERKY e o programa gostou tanto de mim, que quando a assinatura de 1 ano terminou, ele não quis se desinstalar do meu computador, tive que formatar e reinstalar o sistema operacional e todos os meus programas favoritos novamente.
Na década de 80 se usavam programas em MS-DOS, na década de 90 se começou a usar os programas com versões em Windows, e somente um programa antivírus se conseguia instalar nos computadores, o programa recusava a instalação de um segundo programa antivírus no computador.
Nunca confiei em usar somente um programa antivírus instalado nos meus computadores, sempre procurei instalar um segundo programa antivírus no computador. Tentei instalar o segundo antivírus durante anos até que vi o AVAST e o AVG funcionarem em conjunto em 2012 em um dos meus computadores. Depois tentei instalar o PANDA SECURITY, terceiro programa antivírus até ele funcionar em conjunto. Depois tentei instalar o LAVASOFT AD-AWARE, quarto programa antivírus até ele funcionar em conjunto. Atualmente já consegui instalar 5 programas antivírus em um único computador com sistema operacional Windows 7. Observei que trabalham em conjunto, quando um programa não encontra um vírus o outro captura e elimina, com isso a eficiência dos programas antivírus aumentou.

Por Ana Mercedes Gauna

Remanejamento ao contrário prejudica o profissional

Recentemente vi acontecer com um amigo que trabalha vários anos em uma empresa. Ele começou a trabalhar como auxiliar de contabilidade, como fêz diversos cursos técnicos profissionais, poucos anos mais tarde recebeu promoção de cargo e passou a trabalhar com o serviço de dar suporte técnico na empresa. Foi uma pessoa feliz porque trabalhou na área que gosta, fazendo e aplicando diariamente parte do conhecimento que estudou. 
Passaram os anos, houve troca de Diretoria na empresa. Os novos diretores não conheciam o trabalho que ele desempenhava, creio que não pegaram a pasta dos funcionários no setor pessoal para analisar os funcionários, e resolveram dar ordens retirando suas tarefas uma a uma com o passar dos anos. Quando a última tarefa que ele desempenhava foi retirada, o setor pessoal queria remanejá-lo para trabalhar novamente no setor de contabilidade, setor onde o profissional iniciou trabalhando na empresa. Ele não aceitou e pediu demissão.
Li em diversos artigos, nos últimos anos, que as empresas podem remanejar os funcionários, sem prejuízo de salário para irem trabalhar em outros setores. Tudo bem. Mas na minha opinião remanejamento ao contrário prejudica o profissional em vez de ajudar o profissional. Na vida deve se andar sempre para o futuro, e não para o passado.

Por Ana Mercedes Gauna

Remanejamento ao contrário prejudica o profissional

Recentemente vi acontecer com um amigo que trabalha vários anos em uma empresa. Ele começou a trabalhar como auxiliar de contabilidade, como fêz diversos cursos técnicos profissionais, poucos anos mais tarde recebeu promoção de cargo e passou a trabalhar com o serviço de dar suporte técnico na empresa. Foi uma pessoa feliz porque trabalhou na área que gosta fazendo e aplicando diariamente parte do conhecimento que estudou. Passaram os anos, houve troca de Diretoria na empresa. Os novos diretores não conheciam o trabalho que ele desempenhava, creio que não pegaram a pasta dos funcionários no Setor Pessoal para analisar os funcionários, e resolveram dar ordens retirando suas tarefas uma a uma com o passar dos anos. Quando a última tarefa que ele desempenhava foi retirada, o setor pessoal queria remanejá-lo para trabalhar novamente no setor de contabilidade, setor onde o profissional iniciou trabalhando na empresa. Ele não aceitou e pediu demissão.

Li em diversos artigos, nos últimos anos, que as empresas podem remanejar os funcionários, sem prejuízo de salário para irem trabalhar em outros setores. Tudo bem. Mas na minha opinião remanejamento ao contrário prejudica o profissional em vez de ajudar o profissional. Na vida deve se andar sempre para o futuro, e não para o passado.

Por Ana Mercedes Gauna

Os programas antivírus evoluíram com o passar dos anos

Desde a década de 80 sempre gostei de instalar nos meus computadores programas utilitários. Sempre me preocupei em instalar programas antivírus nos computadores que eu uso; nessa época os programas antivírus funcionavam em MS-DOS, e os mais populares eram o MCAFEE ANTIVÍRUS, NORTON ANTIVÍRUS e AVAST ANTIVÍRUS.

Com o passar dos anos usei várias versões grátis dos programas antivírus do AVAST, do AVG, da PANDA SECURITY, da LAVASOFT usei o AD-AWARE, o IOBIT MALWARE FIGHTER do ADVANCED SYSTEM CARE, o AVIRA,  já testei o MICROSOFT SECURITY ESSENTIALS; usei várias versões pagas do NORTON ANTIVÍRUS e NORTON INTERNET SECURITY da SYMANTEC, e do MCAFEE ANTIVÍRUS.

No final da década de 90 comprei um notebook e um roteador wireless, e instalei uma rede sem fio em casa, poucos anos depois a SYMANTEC criou uma versão do NORTON ANTIVIRUS INTERNET SECURITY que notei detectou automaticamente tudo o que existe conectado dentro da minha rede wireless. Gostei muito dele fazer isso.

Em 2012 eu resolvi testar a versão do antivírus KASPERSKY INTERNET SECURITY, porque a caixa dizia que ele tem proteção hibrida em nuvem. Gostei de usar o programa da KASPERKY e o programa gostou tanto de mim, que quando a assinatura de 1 ano terminou, ele não quis se desinstalar do meu computador, tive que formatar e reinstalar o sistema operacional e todos os meus programas favoritos novamente.

Na década de 80 se usavam programas em MS-DOS, na década de 90 se começou a usar os programas com versões em Windows, e somente um programa antivírus se conseguia instalar nos computadores, o programa recusava a instalação de um segundo programa antivírus no computador.

Nunca confiei em usar somente um programa antivírus instalado nos meus computadores, sempre procurei instalar um segundo programa antivírus no computador. Tentei instalar o segundo antivírus durante anos até que vi o AVAST e o AVG funcionarem em conjunto em 2012 em um dos meus computadores. Depois tentei instalar o PANDA SECURITY, terceiro programa antivírus até ele funcionar em conjunto. Depois tentei instalar o LAVASOFT AD-AWARE, quarto programa antivírus até ele funcionar em conjunto.

Atualmente já consegui instalar 5 programas antivírus em um único computador com sistema operacional Windows 7. Observei que trabalham em conjunto, quando um programa não encontra um vírus o outro captura e elimina, com isso a eficiência dos programas antivírus aumentou.

Por Ana Mercedes Gauna

Sua empresa está preparada para Nuvem? Conheça os riscos

Sua empresa está preparada para Nuvem? Conheça os riscos

Riscos Técnicos da Segurança na Nuvem

Riscos Técnicos da Segurança na Nuvem

Banco não pode se apropriar de salário de cliente para quitação de débito.

Decisão é da 3ª Turma do STJ ao julgar recurso do Ministério Público de Minas contra o Itaú, Por O GLOBO, em 10/09/2014 15:50 / ATUALIZADO 11/09/2014 14:28

http://oglobo.globo.com/economia/defesa-do-consumidor/banco-nao-pode-se-apropriar-de-salario-de-cliente-para-quitacao-de-debito-13892775